XXV Fenajeep encerra com comemoração dos campeões

Cerca de 600 jipes participaram da edição especial que marcou o Jubileu de Prata da festa

 

Arriamento Bandeira – Foto Ana Roberta Venturelli

 

Um pouco antes da 17h de domingo, 24 de junho, quando a gigante bandeira do Brasil foi arriada ao som do hino nacional, um dos grandes símbolos da Fenajeep sinalizava que a 25ª edição da festa começava a se despedir de seu público. O evento, que iniciou na quinta-feira, 21 de junho, em Brusque, marcou o Jubileu de Prata da maior festa off-road da América Latina e novamente registrou, em seus quatro dias de realização, muitos momentos emocionantes que entraram para a história da festa e dos amantes do mundo off-road.

 

Desafio Fenajeep Foto Ana Roberta Ventureli_

 

Apesar de diversos contratempos que ocorreram, como a mudança de data da festa por conta da paralisação nacional dos caminhoneiros, a avaliação da Comissão Organizadora da XXV Fenajeep é melhor possível: de que o evento saiu da pista de competições para entrar na história. “Estamos muito felizes por termos feito a edição de 25 anos aqui em Brusque, que foi onde a festa nasceu. Nesses 25 anos o público acreditou na Fenajeep e, mais uma vez, veio para nos prestigiar. Com todas as dificuldades que tivemos a festa foi maravilhosa, tudo ocorreu dentro das nossas expectativas e só temos que agradecer ao público que nos prestigiou ao longo desses dias, que confiou no trabalho da Comissão Organizadora. Comissão essa feita por oito voluntários, que batalhou e acreditou que a festa teria toda a sua estrutura e com tudo o que o público poderia encontrar aqui”, destaca o presidente da Comissão Organizadora da XXV Fenajeep, Vilmar Walendowsky, o Negão.

 

 

Prestígio

Ao todo, foram cerca de 600 jipes inscritos, entre provas de Jeep Indoor, Gaiola Cross e Desafio Fenajeep, bem como passeios Radical e Expedition realizados ao longo do evento. Além disso, o público também prestigiou o Salão Off-Road, que contou com mais de 50 expositores de peças, equipamentos e acessórios para veículos 4×4. “Os expositores em especial estavam muito preocupados por conta da situação econômica do país, mas não deixaram de vir no nosso evento. Apesar de muitos não atingirem a expectativa de vendas esperada, a maioria conseguiu os mesmo números do ano passado, o que foi muito positivo”, acrescenta o presidente do Brusque Jeep Clube.

 

Salão Off-Road. Foto Wesley de Souza

 

Outro atrativo da XXV Fenajeep foi o 14ª Encontro Nacional de Preservadores de Viaturas Militares, que contou com exposição de viaturas militares antigas, exposição histórica de artefatos militares e venda de militaria e peças diversas, que foi um diferencial para o evento. “Em termos de público, o número foi inferior ao que veio no ano passado, até pelo evento não ter sido em um feriado. Mesmo assim, superou as nossas expectativas, já que tivemos cerca de 50 mil pessoas nos prestigiando”, completa Negão.

 

O público vibrando nas arquibancadas – Foto Wesley de Souza

 

Assim como Negão, o diretor de pista, Bruno César Lang reforçou a satisfação transmitida pelo público e pelos pilotos das provas. “Todos elogiaram o percurso. No começo havia certa insegurança em abrir retas tão grandes na pista, mas quando os pilotos começaram a andar, viram que foi melhor e gostaram muito. Tivemos muitos elogios, sem contar no público, que lotou as arquibancadas, em especial no sábado e domingo, e torceu junto a cada volta dada na pista. Estamos muito felizes”, garante um dos diretores de prova.

 

Campeões na Pista

No final da tarde de domingo, 24, a entrega dos troféus aos competidores marcou o encerramento da XXV Fenajeep. Subir no degrau mais alto do pódio, na maior festa off-road da América Latina, exatamente quando se comemora a 25ª edição do evento e ainda brindar a vitória com todos os familiares e amigos porque eles moram em Brusque. Um único piloto viveu essa combinação de experiências que vai ficar marcada para sempre na memória e no coração. O brusquense Lucas Henrique Lang, 18 anos, foi o campeão na categoria Gaiola Cross Aspirado. “A Fenajeep é a Fórmula 1 da Gaiola Cross no Brasil. Por isso, me preparei bastante e entrei na pista com o carro bem alinhado e com muita determinação para vencer”, diz o piloto, que já alcançou o primeiro lugar nesta mesma categoria em 2016.

 

A emoção das competições – Fotos Victor Lara

 

No ano passado, no entanto, o grito pelo bicampeonato ficou engasgado logo nos primeiros dias do evento, quando seu carro quebrou. Já neste domingo, Lucas começou a prova na quinta colocação, distante apenas 200 milésimos de segundos do até então líder da prova. “Dei o melhor de mim, não tirei o pé do acelerador. Esse ano os pilotos vieram fortes, a briga foi acirrada e ganhei por apenas um segundo de diferença”, enfatiza Lang.

 

Lucas Henrique Lang, vencedor Gaiola Cross Aspirado

 

Na categoria Turbo, quem garantiu o melhor tempo, foi o piloto Reginaldo Machado Schunk, da cidade de Juquitiba (SP). “Essa vitória foi emocionante, porque o carro estava quebrando muito. Consegui me classificar em nono e então pensei que tinha que dar certo na final. Na última volta, passei pela fotocélula com o câmbio quebrado, mas deu pra terminar a prova e garantir o primeiro lugar. Participo há doze anos da Fenajeep porque é um evento muito bacana”, destaca Reginaldo, que dedicou a vitória ao piloto Gabriel de Moraes (Torinho), que faleceu num acidente há 45 dias. Gabriel também integrava a equipe Gaiolocos e competiu na Fenajeep por quatro anos.

 

 

                No Jeep Indoor, categoria Aspirado, a comemoração foi em dose dupla para Silvio Ambrosi, de Veranópolis (RS). Isso porque o piloto campeão celebrava também seu aniversário neste domingo, 24 de junho. “Estou muito feliz por ter vencido, ainda mais hoje. Foi um presente pra mim. É uma conquista muito especial. Participo há muitos anos da Fenajeep e já venci três vezes na categoria Turbo. E agora, foi a vez de levar o troféu na categoria Aspirado”, comenta Silvio, também conhecido por Tivy.

 

 

                O vencedor do Jeep Indoor Turbo, Fabiano Antoniazzi, de Flores da Cunha (RS), também já é conhecido pelo público da Fenajeep. No ano passado ele ganhou na categoria Aspirado e em 2018, garantiu a sexta vitória na Turbo. “É o décimo primeiro ano que estou competindo no evento. Trabalhei bastante para ganhar essa prova. Tive muitos problemas com o carro, mas consegui fazer uma boa final. Aqui na Fenajeep a pista sempre muda e os pilotos precisam se adequar a cada ano, mas a equipe trabalhou bastante para que pudéssemos fazer uma boa prova”, descreve Antoniazzi, observando ainda que não há outra competição igual a Fenajeep.

 

 

                “É um evento muito concorrido e fizemos um grande esforço para estar presente, devido à mudança de data. Minha esposa precisou ficar trabalhando no meu lugar e se não fosse o apoio da família, não seria possível estar aqui. Agradeço à minha esposa Viviane pelo apoio. Valeu a pena”, completou o competidor.

                Campeões no Desafio

Pela segunda vez consecutiva, Mário Cesar Gavilak sagrou-se campeão da Fenajeep na categoria Desafio Força Livre. O piloto é de Telêmaco Borba (PR) e observa que o carro ficou pronto nos dias que antecederam o evento. “Foram dois meses trabalhando nesta montagem dia e noite. Apertamos os últimos parafusos e carregamos o caminhão. Ainda bem que a Fenajeep foi transferida, porque não estaria com o carro pronto na primeira data”, conta Gavilak.

 

Desafio Fenajeep – Foto Ana Roberta Ventureli

 

Segundo ele, a receita para se tornar campeão é ter coragem para pisar fundo. “A competição é equilibrada, todo mundo anda bem. No fim a briga é por dois ou três segundos. Ou seja, um piscar de olhos”, descreve o piloto. Para Gavilak, a vitória deste domingo é inesquecível. “Estou vivendo o sonho de muita gente. Sou campeão da Fenajeep na festa de 25 anos. Não vai existir outra. É emocionante”, ressalta, já adiantando que sua presença está confirmada para 2019.

Adinan Bonim, 18 anos, foi o vencedor do Desafio na categoria Stock, ao lado do pai Jurandir, de 49 anos. A equipe de Timbó participa pela quarta vez do evento e neste domingo comemorou a primeira vitória. “Foram três meses de trabalho intenso no jipe. Participamos de algumas competições no Brasil e no Paraguai, mas o foco principal era a Fenajeep. Investimos em suspensão e no preparo do motor. Felizmente conseguimos alinhar tudo para a prova”, afirma Adinan.

 

Desafio Fenajeep – Foto Wesley de Souza

 

Ele garante que o principal objetivo é se divertir, independente de ganhar ou perder. “A organização está de parabéns. Ficamos preocupados com a nova data, mas percebemos a animação dos pilotos, expositores e do público. O evento bombou e no próximo ano estaremos aqui novamente”, adianta.

                Na categoria Master, quem levou a melhor foi a dupla de Itajaí (SC), Carlão Hingst Neto e Rogério Augusto Coelho. Na avaliação do piloto e do Zequinha, que participaram da competição pela segunda vez, a pista estava melhor que no ano passado. “O Desafio estava muito legal e mais uma vez o evento foi um sucesso. Ficamos surpresos com a quantidade de pilotos que vieram competir, mesmo com a mudança de data da festa. Foram poucos que não puderam vir e o nível de competitividade foi mantido em mais essa edição especial”, salienta a dupla.

                Após quatro dias do ronco frenético dos motores e de emocionantes disputas por milésimos de segundos, a XXV Fenajeep chega ao final, mas o trabalho da Comissão Organizadora continua, já com foco na próxima edição da festa, que volta a transformar Brusque na capital off-road do país, em 2019.

Classificação

Gaiola Cross Turbo

 

1 – Reginaldo Machado Schunk

2 – Valério Pozzi Neto

3 – Fabiano Domingues de Oliveira

4 – Rene Jorge Heberle

5 – Bruno Cesar Lang

Gaiola Cross Aspirado

 

1 – Lucas Henrique Lang

2 – Lucas Crespi Nordim

3 – Thiago Gomes Nazario

4 – Ronaldo Machado Schunk

5 – Luiz Felipe Kloss

Jeep Indoor Aspirado

 

1 – Silvio Ambrosi

2 – Marcelo Picolotto

3 – Dinaldo da Costa

4 – Osmar Martignago

5 – Clóvis Cesar Silva

Jeep Indoor Turbo

 

1 – Fabiano Antoniazzi

2 – Márcio Valmor Julio

3 – Ricardo Vinicius Peredo

4 – Cleiton Stedile

5 – Maurício H. Allgayer

Desafio categoria Stock

1 – Jurandir Bonim

2 – Daniel Zen

3 – Cleiton Antônio

4 – Leonidas Júnior

5 – Osmar Teixeira

Desafio categoria Master

 

1 – Carlos Xuxu

2 – Jonathan

3 – Alex

4 – Ciconeto

5 – Paulo Zioler

Desafio categoria Força Livre

 

1 – Gavilak

2 – Daros

3 – Ronaldo Gomes

4 – Otávio Curi

5 – Fabrício Cunha