A Rural para o trânsito em São Paulo

Informações e colaboração: Marta Helaehil –  Fotos Trajano Fkeller

 

Grupo com várias Rural na avenida Paulisa

Grupo com várias Rural na avenida Paulisa

 

Sábado, dia 7 de maio, foi dia de nostalgia em São Paulo. Sob a organização de Regis Rodrigues, aficionado e proprietário de uma Rural 1975, ocorreu o 1º encontro “Tá na Tampa, Tá pro rolo!” com o intuito de reunir proprietários, colecionadores e apaixonados por Rural/F75/F85, bem como para a troca de peças e acessórios. A Rural, fabricada nas décadas de 50, 60 e 70, pela Willys e posteriormente pela Ford no Brasil, teve versões com tração 4X4 e 4X2, com motores a gasolina de seis cilindros em linha e cilindrada de 2.6 ou 3.0 litros.

 

13149968_1030563290362496_2037864876_n

 

Aos poucos o cenário foi se tornando colorido e a área frontal do Estádio do Pacaembu se transformou em um túnel do tempo. Foram muitas as Rurais vindas de vários locais para prestigiar e enaltecer o encontro. Como de praxe, a Rural mais conhecida do meio off- road estava presente, com o nosso grande amigo Cid dos adesivos. Famílias se aglomeraram para conhecer e conferir o detalhe de cada viatura.

 

 

Uma F85 bem preparada para o off-road

Uma F85 bem preparada para o off-road

 

13055697_1327769503919819_1370005517383999430_o

Próximo ao meio dia, iniciou-se o passeio em comboio, com apoio dos membros do Jeep Clube Comando Oeste, Claudio Poka,( ex-proprietário de uma Rural ) guiando o trajeto e Júlio, dando o suporte para o fotógrafo Trajano F. Keller, que registrou os melhores momentos do passeio.

 

A história sendo contada geração após geração...

A história sendo contada geração após geração…

 

 

Tá na tampa, tá pra rolo!

Tá na tampa, tá pra rolo!

São Paulo voltou para os velhos tempos, com a Rural chamando atenção dos que passavam pela Avenida Paulista, com a beleza multicolorida e o “buzinaço” das viaturas, acenando e sorrindo emocionando os ruralistas. Próximo do término da Paulista, um dos veículos teve problemas mecânicos, mas foi prontamente reparada pelo amigo Poka (O Anjo da turma, segundo alguns participantes).

Claudio Xavier da Costa, mais conhecido como "Poka", dando uma geral em uma Rural

Claudio Xavier da Costa, mais conhecido como “Poka”, dando uma geral em uma Rural

 

 

Formação de comboio

Formação de comboio

Capturar

 

 

O comboio seguiu então até o Parque do Ibirapuera onde, após mais registros fotográficos, foi finalizado o evento. Para quem perdeu, não faltarão oportunidades, em breve os organizadores já planejam um encontro com festa Julina, quadrilha e até um casamento entre uma F75 (Barão) e uma Rural (Antonieta), que acontecerá provavelmente no interior de São Paulo (próximo a Campos de Jordão) no mês de Julho.

 

Uma mais bonita que a outra...

Uma mais bonita que a outra…

 

A indefectível Rural de Cid dos Adesivos

A indefectível Rural de Cid dos Adesivos

 

Regis Rodrigues teve essa ideia após perceber que em dois anos de restauração de sua Rural 1975, sobraram peças que não utilizaria em sua viatura. Além disso, a vontade sempre foi grande de reunir “Ruralistas”, pois visivelmente percebe-se que não se trata apenas de um carro para os amantes da Rural. “Rural é História, Rural é Amor! E esse sentimento tornou-se claro no encontro que ocorreu, famílias reunidas, histórias e muita alegria que pretendemos levar adiante!”, afirmou o organizador.

 

Regis xxxxxx, o organizador do evento e sua Rural

Regis Rodrigues, o organizador do encontro e sua Rural equipada com motor BF 3000

Regis possui um modelo 1975 equipado com um raro motor BF 3000. “Não encontrei ainda no Brasil alguém que tenha a Rural com esse motor”, informou. Esse edição especial foi lançada no segundo semestre de 1975, com melhorias do motor BF161 e BF 2600 com relação à taxa de compressão e relação do diferencial excelente (relação de coroa e pinhão mais longa) para desenvolver melhor performance na estrada. É uma Rural para atingir 120km/h 4×2, enquanto a maioria das Rural atingem de 90 a 100 km /h na estrada. Essa Rural possui sistema original de suspensão independente na dianteira e está com placa preta.

 

Puxando o comboio...

Puxando o comboio…

Outro grande fã e proprietário da Rural, que marcou presença no evento foi Fernando Cury. “Este primeiro encontro foi simplesmente o máximo. Como minha vida inteira eu fui um ruralista assíduo e participante, foi ótimo poder estar muito envolvido na organização e ajudando de perto o Regis. Isso provocou muita emoção e gratidão. Com certeza, vamos organizar outros, pois ganhei muitos amigos e me senti realizado”, disse Fernando, numa mostra de como foi o clima do encontro.

 

Fernando Cury (de camiseta preta)

Fernando Cury (de camiseta preta)

 

E a Rural que está na família Cury desde 1972

E a Rural que está na família Cury desde 1972

Fernando possui um Rural Ford Luxo 4×2 1972, comprada zero km pelo pai. “Lembro perfeitamente quando em 1972 fui com meu pai na concessionária Ford Santo Amaro da Av. Rio Branco, buscar o carro da família, novinho e zero km. Quando tinha 17 anos foi meu único carro até 21 anos, passei bons momentos de diversão, lazer, problemas etc. Efetuei varias mudanças contra o gosto do meu pai, loucuras como instalar teto solar, retirada dos bancos dianteiros e substituição por dois bancos individuais, alterei para choques, suporte de camburão, mudei a pintura, com adição de uma faixa, pintei detalhes diversos no motor, substitui volante original por esportivo, e fiz muitos estragos. Mas ela ficou guardada no sítio e o desgaste do tempo e a pouca utilização foram tornando necessários alguns reparos de funilaria”, contou o dono.

 

13147645_1327772083919561_8449063863554593227_o

 

Em abril de 2008, teve início uma reforma geral, com um ótimo profissional. Este desafio seria uma homenagem ao seu pai.

Fernando passou por muitos ferros velhos, internet, restauradores, feiras, amigos, lojas e oficinas, e foi obtendo as peças que precisava. Depois de pronta (ficou lindíssima!), ela foi certificada pelo Clube do Fordinho, recebendo homologação para a Placa Preta. “Em março de 2010, após quase 2 anos, fui ao Detran providenciar a colocação da placa, quando considerei concretizada a homenagem ao meu Pai. A cor da Rural é Azul Colonial e Branco Nevasca. Hoje a clássica viatura é usada somente nos dias de rodízio ou em passeios aos domingos, isso se não estiver chovendo.

“E sou muito ciumento com ela, ninguém dirige e quando preciso entregar a manobrista, me recuso e chego até a mudar de lugar, desde que posso eu mesmo estacionar”, finalizou. É ou não coisa de fã incondicional?

13161911_1327738510589585_671673348859341333_o

 

 

 

Revista 4x4 Digital - jan16